Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Senhor, Te agradeço…

 

Faltam dezenove dias. Dezenove apenas.

 

ampulheta

 

Eu me lembro bem. Eu tinha quinze anos e entrei com raiva em casa. Meus pais estavam trabalhando e, pra minha sorte, meus irmãos estavam ainda por chegar em casa. Sentado no chão frio da cozinha, já molhado de lágrimas e com uma página amassada, feito um bolinho em um canto. Nas minhas mãos? Uma agenda com uma página à menos. O motivo daquilo? Um sonho que mais uma vez estava longe.

Enquanto o caminho da princesa é esperar pelo príncipe, o do príncipe é ir até a torre, matar o dragão, subir os trocentos degraus e encontrá-la dizendo “meu herói! (suspiros)”. Existem vários complicantes na busca pela donzela. O primeiro pode ser achar a torre, outro talvez seria enfrentar o dragão. Logo após viria a escadaria acima, e então… Ah! A princesa! Que linda a princesa! Lá está ela!

Quando estava no meu cavalo reluzente (brincadeira, hehe, só tinha uma bicicleta na época) à caminho da torre, eu orava, pedia à Deus que me levasse à princesa, que me mostrasse ela. Quando cheguei ao lugar onde ela estava, desembanhei a espada e quem estava lá? O dragão? Não… muito pior: Deus estava lá, me esperando!

Calma… sei o que vc pensou… “muito pior Guilherme? Está dizendo que Deus é ruim?” Não… muito pelo contrário. Se fosse um dragão seria fácil, bastava cravar a espada em seu coração em um momento de deslize dele e… pronto! Princesa? Aí vou eu! Mas… quando o assunto é Deus… ah colega… aí a coisa é diferente.

Não há nada que pode torcer a vontade de Deus, não existe barganha, não tem negociação com Ele. Não existem pontos fracos, porque um dos seus sobrenomes é Deus Forte! Aquela oração que eu fazia no caminho foi que abriu margem para que agora não um simples dragãozinho, mas um Deus se interpusesse entre eu e aquela moça lá em cima. E está curioso pra saber que oração foi? Ora… foi muito simples, foi assim:

“Senhor, eu sei que se eu escolher a minha mulher eu vou escolher errado, porque só o Senhor é quem sabe o que é melhor pra mim. Como sou homem eu sei que vou tentar Pai, só não deixe eu conseguir, não enquanto não for a hora de o Senhor me revelar quem ela é.”

Quando eu fiz isso… sabe o que na verdade Deus escutou? Mais ou menos o seguinte:

“Pai, sabe aquele dragão ali na torre? Eu quero que o Senhor o tire de lá e quero que o Senhor mesmo é quem guarde aquela torre.”

Sabe aquele bolinho de papel ali no chão? É uma das minhas investidas para entrar na torre, mas sabe o que Deus disse que me fez chorar?

“Desculpe filho, mas a hora não é essa, e não é essa a torre que você precisa subir.”

A razão das minhas lágrimas? A moça do papel? não… o sonho adiado de novo. E qual sonho? Bom vamos falar um pouquinho sobre mim então.

Nasci em um lar com pais cristãos e comprometidos com Deus. Desde cedo fui levado à escolinha dominical e ganhei várias bíblias ilustradas e histórias edificantes com figuras. Meus pais? Elias e Elizette, um casal de verdade.

Sabe o que é estar brincando com carrinhos e ver um entregador de floricultura entregar um buquê do seu pai para sua mãe? Eu tive essa sensação, e foram várias vezes.

Sabe o que é passar férias em família e orarmos todos juntos antes de viajar? Bom… era eu no banco de trás desse carro.

Sabe o que é orar juntos para agradecer a Deus pelo alimento em cada refeição? Essa era a nossa mesa.

Meus pais já ultrapassaram as bodas de prata, tiveram três filhos e os educaram nos caminhos do Senhor, construíram um lar estável e sólido, e tem sido referência para tantos e tantos casais. O Autor disso tudo? É aquela mesma figura parada agora ao pé da torre.

Eu sonho desde cedo com família, e não, não estou dizendo que sonho desde os dezenove anos, estou dizendo que sonho com a família desde pequeno! Precoce? Não meu amigo, não me interprete mal, eu tive um PAI e uma MÃE. Eles me ensinaram desde cedo que a família era o grande Propósito do Senhor, e então no mesmo tempo que meus amigos esperavam crescer e sair de casa, ganharem um carro ou conseguir uma namorada, eu sonhava em CASAR e TER FILHOS. Sim. Com quinze anos.

O Senhor é Deus. E Deus Todo Poderoso.

Dia vinte e três de abril. Sabe que dia é esse? Tente adivinhar.

Meu aniversário? hmm… não.

Aniversário do meu pai, ou da minha mãe? também não.

Dia que vou pegar minha carteira de motorista definitiva? Hahaha, nem passei na prova de rua ainda!

Esse dia meu amigo, ESSE DIA, no ano de 2011, foi o dia em que Deus, virou de costas e entrou naquela torre. A porta foi trancada e eu fiquei sem entender.

Por uns instantes eu esperei, esperei e nada. Bati na porta para ver se Ele abria, mas não.

De repente um desespero  me tira a concentração, e olho de relance para a torre. Lá no alto a janela se fecha! Meu pensamento instantâneo: acabou… Deus fechou a porta para mim.

Minutos depois de esmurrar a porta e gritar por Ele, implorar para que Ele não me privasse do meu sonho, eu caio de joelhos ali diante daquela porta, já moído e desarmado, não porque não querera lutar, mas porque a força se esvaíra completamente. Um acesso de memória me faz lembrar de umas palavras que Ele disse antes de fechar a porta: “Confie em mim.” E então eu resolvo aceitar. Aceitar que o que quer que seja aquilo, é o Melhor dEle para mim.

Já sem a armadura e sentado no chão com a cabeça sobre os joelhos eu ouço um clique e o barulho da porta se abrindo. Resignado eu penso “Deus voltou para passar a mão da minha cabeça e me consolar”.

De repente uma mão toca o meu ombro, quando começo a erguer meus olhos um perfume intenso invade cada canto da minha alma! Ao olhar pra cima eu a vejo!!! A PRINCESA!

Segurando a mão dela está Deus, Ele olha pra ela e diz tão pura e simplesmente: É ele.

Ele não deixou eu subir a torre, Ele a trouxe até mim! Deus não trabalha como homens, Ele é Deus! Ele é Deus!

Ele disse pra mim com aquela atitude: “Guilherme, EU SOU O SEU DEUS! SOU EU QUEM VAI DIRECIONAR TODA A SUA VIDA!”

Daquele dia em diante o meu sonho se tornou realidade, a cada dia!

Sobre a Priscila? Nossa… a Priscila é a melhor parte de mim!

Ela é amável, doce, sábia, carinhosa, romântica e tem nos olhos as duas pinturas mais belas que as mãos do Criador já pintou. A voz dela é um bálsamo, um conforto, e o perfume dela é mais completo e puro do que o de vinte e três primaveras inteiras!

Ela é muito, MUITO mais do que eu nunca poderia imaginar ou merecer! Ela mudou a minha vida desde o dia que entrou nela, e tem me feito à cada dia o homem mais feliz do universo!

E é por causa dela que quero escrever aqui o meu conselho: Confie em Deus.

Saiba que os caminhos de Deus são muito diferentes dos seus, e que Deus é o único que te conhece. Nem mesmo você se conhece.

Todos os dias eu descubro algo que eu sou fascinado na minha amada noiva que não sabia no dia anterior, e isso, é algo que só poderia ser obra de Deus.

Eu mineiro, ela gaúcha. Dois mil quilômetros nos separam, mas… isso está acabando, e sabe porquê?

Dezenove dias.

Daqui a exatos dezenove dias eu e ela iremos nos casar. Diante de nossos pais, família, amigos, anjos, principados e potestades, vamos nos unir em matrimônio pra sempre. Isso mesmo, pra sempre!

Seremos uma só carne, uma pessoa com quatro braços, quatro pernas, duas cabeças e um só coração. E um só Deus.

“Deus, te agradeço Senhor. Te agradeço porque o Senhor é bom, mesmo quando somos maus. Te agradeço porque as suas misericórdias se renovam à cada manhã e e somos conduzidos pelo Senhor àquilo que espera de nós. Te agradeço por essa nova família que eu e a Priscila formaremos, e desde já te peço Senhor, seja Rei sobre nós. Seja o Dono de nossos filhos, sustente o nosso lar na Tua Palavra e nos guia Pai, amém.”

… é… só mais uma coisa Senhor… obrigado por ter me deixado aqueles vinte e três minutos do lado de fora daquela porta, foi o tempo necessário para eu entender que não é pela minha força, nem pelo meu muito trabalhar ou desejar, que o Senhor realiza as coisas na minha vida, mas é porque o Senhor é bom. Louvado seja o Seu Nome.

 

Dama de Branco (29/05/13)

 

Chegou o dia do casamento

E cada momento eu esperei por ti...

Tapete vermelho, a dama de branco vem...

A única flor do meu jardim...

 

Dama de branco, vem ao meu encontro,

me arrebata a respiração!

me olha nos olhos, a ti eu imploro,

sequestra pra sempre o meu coração!

Seja o meu abrigo, família comigo,

E Jesus construindo, te unindo a mim...

Formando um lar, pra sorrir, pra amar,

todo dia ao Pai quero agradecer

Por ter me dado esta dama de branco… você.

 

Com esta aliança, prometo viver pra ti...

Te amar, te honrar, cuidar e te servir.

Sempre contigo, jamais te abandonar,

São esses os votos enquanto eu respirar!

 

Dama de branco, vem ao meu encontro,

me arrebata a respiração!

me olha nos olhos, a ti eu imploro,

sequestra pra sempre o meu coração!

Seja o meu abrigo, família comigo,

E Jesus construindo, te unindo a mim...

Formando um lar, pra sorrir, pra amar,

todo dia ao Pai quero agradecer

Por ter me dado esta dama de branco…

Por ter me dado esta dama de branco…

Por ter me dado esta dama de branco…               você.

 

 

casal de velhinhos na praia

 

 

No Amor de Deus,

Guilherme Wilson, discípulo de Jesus.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 7

Versículo 7: “Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

Sofrimento, fé, esperança e longanimidade. O que essas quatro palavras tem em comum? Todas elas são reações.

Muitos versículos neste capítulo falaram até agora de atitudes do amor, mas esse versículo fala de reações do amor.

O que é o sofrimento? A definição no dicionário é:

So.fri.men.to: s. m. Dor física ou moral; padecimento, amargura. Desgraça, desastre.m. Ato ou efeito de sofrer. Padecimento. Dor. Amargura. Paciência. Desastre.

De fato, sofrer não é algo agradável, e corresponde à negligência aos desejos de nossa alma. É um estado passivo, onde não se pode fazer muita coisa. Por que razão alguém sofreria tudo? Como poderia alguém sofrer todo o dano, e aceitar todo o opróbrio e sentença, mesmo quando não tem culpa de nada? Opa! Conhecemos alguém que já passou por isso, não é? Pois é, Ele mesmo, o Autor da Vida, Jesus Cristo, Senhor e Rei, sofreu tudo. Ele é o Pai do Amor, e por isso o Amor é Sua Assinatura.

Somos capazes de sofrer tudo somente por meio da ação de Cristo em nós, por intermédio de Seu Santo Espírito. A razão é muito simples, nosso ego não aceita sofrer, porque o ego é incapaz de amar.

Fé praticamente dispensa comentários. Ela é totalmente passiva. A grande beleza da fé, é que ela não depende de nós, e ficamos inteiramente à mercê de Deus. É aquele momento em que, sem mais recursos, olhamos para os olhos do Senhor e clamamos que Ele faça por nós. Deus se alegra quando o homem se lança frágil e incapaz aos pés dEle, e por isso é que sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6). Deus não quer fortes que se virem sozinhos, quer filhos que necessitem dEle. Por isso, o Amor, o qual procede dEle, não se manifesta sem fé

Esperança está intimamente ligada à fé, porém mais associada ao momento que se estende do pedido ao Senhor até o cumprimento. Quando eu era pequeno gostava muito de passear com meus pais e irmãos depois dos cultos. Quando acabava o culto eu jogava um indireta no carro: “nossa, que vontade de comer hambúrguer!”. O carro arrancava e seguia no caminho de casa. Eu sabia que quando chegasse àquele cruzamento meu pai deveria virar à esquerda pra ir ao carrinho de hambúrguer, e sabia também que se ele seguisse reto... o ansiado hambúrguer estaria perdido. Eu confiava no meu pai e esperava nele, sabia que de alguma forma ele iria virar, acreditava nisso! E sabe de uma coisa? Ele virava! E eu ficava doido de alegria no carro! Aquele instante desde a saída do culto até aquele cruzamento era uma experiência fortíssima! Parecia durar um século! E todo o meu coração de criança estava esperando por aquela curva!

É exatamente assim a esperança. Nossa fé manifesta o começo do tempo de espera, até esse tempo se findar no cumprimento do que esperamos. O texto diz que o amor tudo espera, portanto se por acaso perder as esperanças já te digo uma coisa, não é amor o que está vivendo.

“Tudo suporta”. Suportar é aguentar algo que nos faz sofrer. Longanimidade, ou seja, ter ânimo longo, persistir e perseverar. Desistir jamais, afinal desistir e não ter esperança e esmorecer na fé, resumindo, é não amar. Falar isso é muito mais fácil do que viver isso, porém só é possível nunca desistir se tivermos revelação do poder de Deus no momento em questão, e nos sujeitarmos 100% à ação do Espírito Santo.

É impossível amar fora da ação do Espírito Santo, porque naturalmente tudo em nós é ego, e o egocentrismo é o oposto do amor. Vale lembrar que o texto coloca TUDO antes de cada uma dessas atitudes de coração. Isso quer dizer puramente que nada escapa, e que TUDO é TUDO. Isso deve produzir enorme temor em nós, afinal quantas e quantas vezes falhamos em aceitar sofrer, na fé, na esperança e na longanimidade? Eu sou tremendamente falho nisso, e peço misericórdia ao Senhor, que essas palavras que escrevo não fiquem apenas nessa página da internet, mas produza transformação em minha vida e me leve para mais perto do coração dEle.

 

Que o Senhor abençoe a cada um de vocês,

 

Guilherme WIlson, discípulo de Jesus.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 6

Versículo 6: “Não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade”;

Pense em injustiça, o que lhe vem em mente? Pense um pouco.

Muitos provavelmente devem ter associado a palavra injustiça com alguma ocasião que sofreu ou presenciou. O menino senta no sofá para jogar videogame depois de ter tomado banho e feito o dever de casa, quando a mãe entra na sala e diz: “Filho, seu pai quer assistir o noticiário, vá brincar no seu quarto”. Qual a reação do menino? “Ah! Mãe, mas isso não é justo!”.

A pergunta que não quer calar é: porque ele se achou injustiçado?

A resposta é bem simples. Na cabeça da criança existem as seguintes fórmulas:

Bom comportamento = recompensa;

Rebeldia + Pedido de desculpas = absolvição;

Xingar + Ser xingado = Estar quites;

Entre outras fórmulas.

Não somente a criança, mas todo ser humano trabalha com matemática. Embora muitos atestem detestar a mesma, tem suas vidas impregnadas da lógica pura. O porquê de isso acontecer é simples também.

Quando Adão pecou ele morreu relativamente a Deus. Até então, toda a percepção que ele tinha da vida era fruto do relacionamento com Deus. A curiosidade sobre qualquer coisa, creio eu, o levava a buscar em Deus respostas, e essas respostas eram para ele a plenitude da verdade sobre tal assunto.

Depois de ter pecado, morto relativamente a Deus, Adão perdeu toda a fonte real de conhecimento que recebia, e sua alma já não tinha respostas simples para tantas e tantas coisas. Foi aí, precisamente aí, que nasceu a lógica.

O principio básico da lógica é:

Se A é igual a B, então C.

Se A é diferente de B, então D.

Um exemplo: O gato é maior do que o rato. Se o rato não pode passar debaixo da porta, então o gato também não pode.

O grande problema com essa fórmula é que os termos “igual” e “diferente” necessitam de uma referência, e de onde vem essa referência? O que nos permite diferenciar as coisas?

1) Visão: “Aquela árvore é maior do que esta”;

2) Audição: “Este som é mais agudo que aquele”;

3) Olfato: “Este perfume é mais forte do que o outro”;

4) Paladar: “Este chá está mais doce do que ontem”;

5) Tato: “Esta panela está mais quente do que a que está na mesa”.

Tudo o que nos possibilita comparar e relacionar, são os nossos cinco sentidos, porém sabemos que eles estão relacionados com o nosso corpo, e que existem outros sentidos na natureza, então a pergunta é: será que Deus só tem os mesmos cinco sentidos? Seria uma tremenda presunção de nossa parte dizer uma coisa dessas, não?

Voltando então, o menino cria seu parâmetro de justiça com base na lógica, na matemática. A lógica depende das comparações, e as comparações dependem dos nossos sentidos. Então, será que a nossa justiça é a mesma de Deus? Por certo que não.

O texto do quinto versículo está dizendo que o amor não se alegra com a injustiça. O que isto quer dizer? Quer dizer que o amor, por ser formado em Deus, não sente prazer quando algo não é justo diante de Deus.

Como saber se algo não é justo diante de Deus? Perguntando pra Ele, e examinando a Santa Palavra. Precisamos lembrar que por meio de Jesus temos acesso ao coração do Senhor tal como Adão tinha, fomos feitos Filhos de Deus, e não mais somos obrigados a gerir conclusões e padrões de justiça através da nossa lógica falha. Em outras palavras, para amarmos, é preciso que nos relacionemos com Deus, de forma que venhamos a entender a profundidade do que Ele considera justo ou injusto, e então nosso coração venha a se alegrar com a Justiça dEle, nos regozijando na verdade.

Gozo é alegria, prazer, satisfação. Regozijar na verdade é viver saciado na verdade, da seguinte fórmula:

“Deus, por que isso é aquilo?”

“Por causa disso meu(inha) filho(a) amado(a).

“Ok Senhor, entendi. Obrigado por me revelar Pai! Minha alma se alegra no Senhor!”

Simples não é? Simples e perfeito. Davi passava muito tempo com o Senhor, qual foi o resultado? Mais de uma centena de salmos de louvor e glorificação a Deus. Alegria plena, regozijo completo na verdade!

 

Jesus Cristo é a Verdade!

 

Que Deus abençoe vocês!

Guilherme Wilson, discípulo de Jesus.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 5

Versículo 5: “Não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se alegra do mal;”

Bom, antes de qualquer coisa temos que refletir e entender o que significam as palavras “conveniência”, “interesse”, “exasperar” e “mal”. Vamos lá:

Conveniência

Algo conveniente é algo vantajoso, útil, preciso, adequado. Essas palavras, no entanto, exigem explicações. Algo é vantajoso se gerar vantagem para alguém. É útil se gerar utilidade para alguém. É preciso se atender a necessidade de alguém. Adequado só o é se se adequar a vontade de alguém. Bom, mas quem? A resposta para isso é um tanto óbvia para nós, esse alguém é Deus. Quando realizamos algo que REPRODUZ a vontade de Deus, então somos convenientes. Já deve ter se deparado com a frase: “o que fulano de tal fez foi muito inconveniente, todos ficaram constrangidos”.

Interesse

Ouro e areia são feitos de exatamente as mesmas coisas: átomos. O que faz o garimpeiro jogar fora a areia e reter o ouro é o interesse que tem nele. Nada “salta” aos nossos olhos se não gerar proveito algum nós. Passamos todos os dias por árvores que sequer prestamos atenção, porém um andante do deserto do Saara daria MUITO valor às árvores, com sua sombra preciosa. Para haver interesse próprio é preciso haver ego.

Exasperar

Exasperar é o mesmo que irritar, encolerizar, enfurecer. A fúria é o resultado violento de uma expectativa não alcançada. Ela ocorre quando algo é capaz de nos tirar do sério, e sempre está relacionada com o nosso eu. Quando ocorre a ofensa, somos tomados de um desejo carnal de resistência, de garantir que nossa opinião seja mantida ilesa, ou nossos “direitos” garantidos. Isso é se exasperar, é quando se “explode”.

Mal

Essa palavrinha é muuuuuuito simples, e ao mesmo tempo muito complicada. Entender o significado do que é mal vai muito além da nossa capacidade humana, porque não sabemos lidar com o bem e o mal. Por exemplo, a Palavra diz que nossa justiça é pra Ele como trapo de imundícia (Isaías 64.6), isto é NADA do que vem de nós é bom. E diz também no livro de Isaías que Deus se agradou com o sofrimento de Jesus na cruz (Isaías 53.10). Diz também que Deus tem prazer na morte dos seus santos (Salmo 116.15). A verdade é que Deus, e somente Deus sabe definir o que é bom e o que é mal. A nós, cabe entender que o mal é aquilo que não é vontade de Deus, e o bom, o desejo do Seu coração.

--------------------

Entendendo essas palavras, conseguimos agora refletir mais sobre o que Paulo quis dizer neste quinto versículo de I Coríntios 13.

Conduzir inconvenientemente é conduzir de forma inadequada. O amor é conduzido, porque está em movimento, é uma ação. Amar é se mover em função do outro, fazer algo em prol do outro, agir. Existe um Caminho a trilhar na condução do amor, e sabemos bem QUEM é Este Caminho. Mas também uma forma de conduzi-lo, uma forma conveniente, e esta forma está no coração do Senhor. Ele, porém, não nos mostra o que fazer no futuro, mas nos conduz dia-a-dia, de forma que administremos a dose certa de cada coisa a seu tempo. (Ah Senhor, como eu quero aprender isso!)

Como vimos, o interesse surge no ego, alguém gera o interesse. O que a Palavra diz é que devemos buscar os interesses do coração de Deus! Não creio que esta palavra esteja nos dizendo para cumprir os desejos “do outro”, mas sim o interesse de Deus, e é claro que isso incluirá o melhor ao outro, porém não na nossa ótica humana, na de Deus!

Jesus nos disse que devemos ser mansos e humildes, e isso é exatamente o contrário de se exasperar. A ira não pode existir em nossos corações, exceto se for gerada pela ofensa ao Senhor, e vejamos bem: Quando nos iramos contra algo que ofende a santidade de Deus, nos atemos somente às atitudes, NUNCA às pessoas. Não posso ter ira contra o homossexualismo tendo ira contra o homossexual! Não posso ter ira contra a corrupção tendo ira contra o corrupto! Nossa atitude é de orar pela intervenção do Senhor, e pela misericórdia e transformação que vêm dEle.

Algo só pode trazer alegria quando somos satisfeitos em alguma área de nossas vidas. A alegria está intimamente ligada à satisfação da alma em algo. Se o texto diz que o amor não se alegra do mal, isso significa que a alegria ligada àquilo que ofende a vontade de Deus, NÃO tem nada a ver com o amor. O amor só se satisfaz no cumprimento da vontade de Deus, e mais nada!

A razão pela qual as coisas são dessa forma é porque o amor nasceu no coração de Deus. Não existe possibilidade de que ele esteja ligado àquilo que O desagrada.

 

Graça e paz,

Guilherme Wilson, discípulo de Jesus.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 4

Versículo 4: “O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece,”

Começa nesse versículo uma sucessão de qualidades do amor. É bom enfatizar que qualidades são atributos, e embora todos esses termos sejam coisas boas, é imprescindível enxergar esses itens como características que o amor possui. Creio que devemos refletir em cada um deles isoladamente, e depois refletirmos no conjunto inteiro.

 

É paciente.

A paciência é capacidade de não alterar o comportamento e não induzir agressividade mesmo sob circunstancias ruins e repetidas incontavelmente. Para que exista paciência, é preciso crer que algo inerente a nós vai acontecer, e vai regular as coisas. Se o outro nos ofendem várias vezes, nossos corações tendem a pensar: Ele(a) nunca vai mudar. Isso se dá pela lógica humana, que diz que uma atitude repetida muitas vezes, será repetida infindamente, pois está associada ao caráter e personalidade da pessoa. Mas se cremos que o Espírito do Senhor Jesus é poderoso para produzir tanto o querer quanto o realizar segundo a Sua Vontade, então a lógica morre, e somos capazes de esperar. Resumindo: A paciência só ocorre quando entendemos e submetemos o outro à ação do Senhor, sem tocar em feridas ou “mexer os pauzinhos”, e isso se chama amor.

 

 

É benigno.

A benignidade está associada a uma coisa ser “do bem” e não “do mal”, mas para a entendermos, é necessário antes entender o que é o bem ou o mal. Sem dar muitos rodeios, algo só é bom quando procede do coração de Deus. Todo o resto é mal. O bem está associado à plenitude da verdade, e ela só existe em Cristo, portanto, só pode haver o bem quando a coisa em questão parte do coração de Deus. Uma mesma pessoa pode agir com o bem ou com o mal, dependendo de sua dependência de Deus num dado momento, mas uma coisa benigna é bastante diferente. O BEM está para a BENIGNIDADE assim como a PUREZA está para a SANTIDADE. Ser benigno é ter uma atitude constante em relação a fazer o bem, é algo contínuo e não momentâneo. Resumindo: O amor é benigno porque sempre aponta para fazer o bem, e é uma atitude contínua.

 

 

Não arde em ciúmes.

Uma vez eu li que “ter ciúmes é se sentir mal por saber que a outra pessoa pode ser feliz sem você.” Sabe de uma coisa? Creio que essa frase é simples e completa. Ego. Essa palavra define todos os frutos da carne, inclusive o ciúmes. Embora seja usual entre os casais dizerem frases como “não vivo sem você”, ou então “você é minha felicidade”, essas belas frases não dizem muito sobre o amor. O amor está relacionado à uma entrega diária e perpétua, e não a momentos e frases. Se perguntarmos a um casal idoso a razão de permanecerem casados, é muito improvável ouvirmos frases do tipo “porque ele me diz coisas bonitas”, ou porque “ela cozinha bem”, mas ouviremos: “porque ela nunca me desamparou”, “porque ele me ama e cuida de mim mesmo quando eu o machuco”, etc. O ciúme está voltado pra coisas momentâneas e essencialmente egocêntricas. Não existe interesse em ver o outro feliz e suprido, mas sim em enxergar o selo de propriedade na pessoa, do tipo de pensamento “Eu vi primeiro! Caia fora!”.

 

Não se ufana, não se ensoberbece.

Poderíamos definir “ufanar-se” como sendo “ato de se considerar perfeito e autossuficiente”. É um sentimento que diz “não preciso de ninguém”. O mesmo sentimento de superioridade aos outros é caracterizado por soberba. O que há de errado nesses sentimentos? O mesmo que todo o resto, são egocêntricos. A característica básica do amor é a manifestação da vontade e da bondade de Deus, e sendo assim, JAMAIS o amor poderia surgir no ego humano. A soberba é o exato contrário sentimento ao que Jesus teve, e portanto, é adâmico e mais ainda satânico. O amor é humilde, sempre, porque isso agrada ao coração de Jesus, e o Espírito Santo clama a todo momento em nós, nos levando a ser uma Igreja mais atraente ao Noivo.

Que Jesus te abençoe!

Guiherme Wilson, discípulo de Jesus.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 3

 

Versículo 3: “E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.”

Ter poder sobre coisas é a maior aspiração do coração natural do homem. Como o homem não tem poder sobre o tempo, ele se empenha a ser “senhor” sobre o máximo de bens e pessoas que puder, até envelhecer e morrer desiludido. Alguns dizem que não se preocupam com isso, e que vão vivendo até a morte chegar, dizendo que é algo comum, mas a verdade é que quando ela chega a eles se desesperam e agonizam. Na busca de maximizar o prazer em vida, eles se empenham em conseguir coisas, e ter poder sobre elas.

Quando um homem nasce de novo, e recebe o Espírito Santo, uma das primeiras coisas que ocorrem é o desligamento com esse apego. O discípulo de Jesus passa a ter consciência que não vive para esse mundo, e por consequência tem total tranquilidade em doar seus bens aos pobres quando o Senhor os direciona a isso. Paulo diz no versículo “distribua TODOS os meus bens entre os pobres”, e TUDO é TUDO. Carro, casa, dinheiro, móveis, roupas, joias, tudo. É um desprendimento tal que nem temos ideia de como seja.

Diz-se que a dor da queimadura é uma das mais fortes, e que na época de Paulo muitos mártires entregaram-se e morreram por Cristo. Alguns deles foram queimados vivos, como descrito em muitos relatos da época. A própria razão de serem chamados mártires, é fruto dessa ação em vida que continua causando tremendo impacto mesmo depois da morte. Esses homens poderiam muito bem fugir, se esconder, ou tentar uma solução diplomática, mas não. Eles enfrentavam tudo o que fosse necessário pela obra do Senhor.

Coragem extrema é o que define um homem se entregar para morrer por Cristo. Certamente essa entrega, mesmo que para a morte, distinguia esses homens dos demais, e eles são lembrados até hoje, continuarão sendo lembrados até o fim, como homens que amaram a obra acima de suas próprias vidas, literalmente.

O curioso disso tudo é que Paulo diz que ainda que ele se entregasse para ser queimado vivo após ter doado todos os seus bens aos pobres, NADA disso aproveitaria a ele se não tivesse amor. A morte por queima é dolorida, intensa, mas é também rápida, e dentro de instantes o homem agonizando é um pedaço de carvão retorcido. O sentimento de propriedade é tão passageiro quanto o de desapropriação, e algum depois de doar tudo, a vida seguiria seu curso. Mas no amor não é assim que funciona...

No amor não se morre uma morte rápida, mas se entrega diariamente fazendo morrer a própria vontade e desejo em prol do outro. Não se doa os bens, mas o coração, as lágrimas, as dores, as emoções, as decisões, o tempo. O amor é sinônimo de entrega contínua e eterna. Entrega contínua e eterna!

No amor do Pai,

Guilherme Wilson, discípulo de Jesus.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Meditação em I Coríntios 13 – Versículo 2

 

Versículo 2: “Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, senão tiver amor, nada serei.”

Várias vezes vemos a Palavra retratar o dom de profetizar como sendo o dom supremo. E de fato é, afinal consiste em através do Espírito Santo, declarar coisas sobre a vida de alguém com autoridade, coisas tais que são a resposta de Deus para aquele momento, e a manifestação verbal do que Deus deseja e vai fazer. Existe uma passagem em Atos que retrata um homem piedoso que possuía quatro filhas virgens que profetizavam, e é interessante que o autor escreveu isso no relato, pela grandiosidade que representava. O dom de profetizar representa a plenitude da manifestação do Espírito Santo.

Conhecer mistérios era algo profundo que apenas os mais estudados desfrutavam. Os escribas eram uma parcela dos judeus que se aplicava nos estudos e nos mistérios, e descobrir esses mistérios era algo extremamente incrível. O mesmo vale para a ciência, porém com um tom isento do espiritual. A ciência consiste em estabelecer hipóteses lógicas e entrelaçadas que justifiquem ou expliquem fenômenos observados. Um cientista que se aplica se destaca entre os outros. A reputação dele é consequência do quanto ele conhece da ciência. O mais incrível é a palavra “todos” antes de mistérios e “toda” antes de ciência, o que significa conhecimento pleno de TUDO o que existe.

A fé fala por si só. Sabemos que sem fé é impossível agradar a Deus, e o que é a fé? É a certeza de coisas que se esperam, e a convicção de fatos que não se veem, segundo o livro de Hebreus. Fé é o que possibilita alguém crer no sobrenatural da mesma forma que enxerga o natural, e assim, produzir sinceridade no contato com Deus, e prontidão em agir sobrenaturalmente segundo a ordem dEle. Transportar montes não é algo fácil de se imaginar, porque vemos o monte como uma formação rochosa fortemente encravada no solo, com milhões de toneladas, e não como um amontoado de matéria aglutinada por Deus para um propósito específico, mas que representa para Ele a mesma dificuldade de remoção do que um pedaço de algodão.

A grande verdade é que não existe “pecadinho” e “pecadão”, para Deus existe o pecado. Não existe o monte e o pedaço de algodão, existe um aglomerado de matéria, que se Deus quiser mover, Ele irá. Nós classificamos o “tamanho” do pecado pelas consequências que ele traz, e classificamos o peso da matéria pela capacidade da nossa força em movê-la. Fé é o que muda as coisas em nossa mente, e nos faz agir e pensar com liberdade em Deus, possibilitando ações sobrenaturais dEle por meio de nós.

Dom de profetizar, conhecimento de todos mistérios e toda a ciência, fé a ponto de transportar montes... Todas essas coisas são a caixa de ferramentas dos sonhos de um apóstolo. Paulo escreveu nesse versículo, semelhantemente ao primeiro, à respeito de coisas que ele muito considerava importantes. Com tais ferramentas, não haveriam restrições à obra, certo? Errado.

“Se não tiver amor, nada serei.” Ual! Esse tal de amor é realmente incrível não? Como é possível que ele seja fator tão decisivo, a ponto de inutilizar todos esses itens incríveis, caso esteja ausente? A questão é muito simples. O amor nos exige que sejamos como Jesus, enquanto que os outros itens não. É possível ter grande fé e um enorme conhecimento sem amar, mas quando se ama de verdade, então é o Próprio Cristo vivendo através daqueles por quem morreu e ressuscitou!

 

Ter qualidades incríveis nos torna homens excelentes, mas ter um coração que ama nos torna discípulos de Jesus.

“E nisto conhecereis que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns para com os outros” (Jo 13.35)

 

Graça e paz,

Guilherme Wilson, discípulo de Jesus.